Pesquisar este blog

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Comic-Con 2017: Novo trailer de Liga da Justiça sugere retorno de Superman

E mostra o temido vilão Steppenwolf!
Esqueçam os rumores sobre a saída de Ben Affleck do papel de Batman! O Homem-Morcego continua no Universo Estendido da DC e volta a marcar presença no novo trailer de Liga da Justiça, divulgado neste sábado (22) no painel da Warner na Comic-Con 2017.
Preparem-se para mais ação e humor com Mulher-Maravilha (Gal Gadot), Batman, Aquaman (Jason Momoa), Flash (Ezra Miller), Ciborgue (Ray Fisher) e, quem diria, Alfred (Jeremy Irons). O vídeo ainda mostra Temiscira sendo atacado pelo vilão Steppenwolf, além da ameaça dos misteriosos parademônios.

Agora a pergunta que não quer calar é: quem é a pessoa misteriosa falando com Alfred no final do trailer? Será o Superman (Henry Cavill)?
Confiram a sinopse:
Impulsionado pela restauração de sua fé na humanidade e inspirado pelo ato altruísta do Superman (Henry Cavill), Bruce Wayne (Ben Affleck) convoca sua nova aliada Diana Prince (Gal Gadot) para o combate contra um inimigo ainda maior, recém-despertado. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha buscam e recrutam com agilidade um time de meta-humanos, mas mesmo com a formação da liga de heróis sem precedentes - Batman, Mulher-Maraviha, Aquaman (Jason Momoa), Cyborg (Ray Fisher) e The Flash (Ezra Miller) -, poderá ser tarde demais para salvar o planeta de um catastrófico ataque.
Com direção de Zack Snyder e pós-produção de Joss Whedon, Liga da Justiça chegará aos cinemas no dia 16 de novembro.

The Batman | Matt Reeves garante que filme será dirigido do seu jeito

Roteiro escrito por Ben Affleck e Geoff Johns não será utilizado.


Matt Reeves (“Planeta dos Macacos: O Confronto”), diretor que substituiu Ben Affleck (“A Lei da Noite”) no comando de The Batman”, revelou estar bastante animado para começar a trabalhar no projeto depois que lançar Planeta dos Macacos: A Guerra”.
Durante uma entrevista ao site Uproxx, o cineasta garantiu que fará o longa sem interferências do estúdio e que terá liberdade para contar a história do homem-morcego da maneira que deseja.
“Quando eu entrei, eu disse: ‘Antes de tudo, vocês estão me perguntando se eu estou interessado nessa franquia. Eu estou. Eu amo essa franquia. Eu amo desde criança. Mas aqui está a maneira pela qual estou interessado nisso’. E a boa notícia foi, eles disseram: ‘Sim, estamos realmente interessados ​​nesse jeito’”.
O diretor ainda explicou que só faz filmes nesta condição por um motivo simples: não se arrepender depois.
“Você gasta muito do seu tempo colocando-se em algo, e se acabar não funcionando é um pesadelo, certo? Eu posso falhar por qualquer pequena razão por minha causa. Eu não quero falhar por causa de algo em que, em primeiro lugar, não acredito”.
Vale lembrar que Reeves confirmou recentemente que o roteiro escrito por Affleck em parceria com Geoff Johns (presidente de produção da DC) não mais seria levado em consideração e que o próprio diretor já está trabalhando em uma nova história partida do zero. Affleck passa então a acumular os papéis de protagonista e produtor do longa.
Enquanto “The Batman” segue sem data para chegar aos cinemas, podendo estrear entre 2018 e 2019, Affleck reprisará seu papel como o homem-morcego em “Liga da Justiça”, com lançamento previsto para 16 de novembro deste ano.

sábado, 22 de julho de 2017

Você conhece o BLW ou Baby Led Weaning?

O método que estimula a criança pode ser muito benéfico para seu desenvolvimento motor


por NAYANI REAL

Você conhece o BLW? Baby Led Weaning é a sigla comumente traduzida para “desmame guiado pelo bebê”. Apesar das dúvidas, o método conquistou muitas mamães por aí por ser benéfico à criança.

Como funciona

Basicamente, a introdução alimentar gradual se dá a partir da seleção de alimentos que atendam todas as categorias nutricionais necessárias do pequeno. Cabe aos pais escolherem o que será ofertado ao bebê. Sentado no cadeirão, a criança deve ter autonomia para escolher as opções à sua frente. A dica é guiar-se pelo tamanho da mãozinha da criança: o alimento deve caber em sua palma.

Não se descuide: apesar de dar-lhe a opção de escolha, o bebê precisa estar sempre sob vigilância.

Qual a hora certa?

Segundo a nutricionista Fernanda Braga, com aproximadamente 6 meses, a criança está pronta para receber alimentos complementares, mas é necessário observar alguns critérios que definem a possibilidade de introdução do método. Antes de mais nada, a criança deve ser capaz de se sentar sozinha. Além disso, observe: ela leva objetos à boca com precisão? Imita movimento de mastigação e demonstra interesse pelas refeições dos adultos, tentando pegá-las?

Se as respostas forem positivas, está liberado. Caso contrário, a falta de controle sobre o alimento indica que a criança pode até engasgar. “Se os pais derem a comida para o pequeno, o método deixa de ser o BLW. Caso a criança ainda não sente, a família pode optar por esperar ou iniciar outro método”, explica Fernanda.

Baby Led Weaning: do leite às comidas sólidas

A dieta até um ano de idade tem no leite a principal fonte de nutrientes. “Não tem problema se o bebê não comer logo de cara porque o método é antes uma exploração sensorial do que a base alimentar”, comenta a profissional.

No método tradicional a mãe determina o quanto o bebê come pois a oferta parte dela – e nem sempre ele está com fome, o que pode frustrá-la. Com o BLW ele aprende a regular sua fome e saciedade, o que pode gerar uma consciência útil quando ele crescer.

“Essa história de raspar o prato é furada: come quando tiver fome e apenas o necessário para saciá-la. É preciso ter paciência e saber que nem todos os pequeninos vão comer o que lhes é oferecido. Ao mesmo tempo, alguns pegam a comida e levam direto à boca”, arremata a nutricionista.

Quais são os benefícios do BLW?

A liberdade frente a própria alimentação e os estímulos sensoriais consequentes levam o pequeno a ter contato com cores, texturas, formas, sabores e aromas – o que pode, inclusive, encorajar a provar novos alimentos a longo prazo.

Além disso, o desenvolvimento motor é estimulado, auxiliando a criança a fortalecer as coordenações visuais, habilidades oro-faciais (que têm a ver com a mastigação) e a percepção espacial. “Meu filho, por exemplo, com um ano já comia sozinho com garfo”, conta Fernanda.

Os sentimentos de inclusão e pertencimento são assimilados por meio das refeições em família e podem estreitar os laços. Entre as desvantagens, a nutricionista cita apenas a sujeira. Mas que mal tem, não é mesmo? Criança tem que se sujar e descobrir!

Fonte: Blog Tricae