Pesquisar este blog

terça-feira, 26 de julho de 2016

Confira novo trailer sensacional de Esquadrão Suicida


A San Diego Comic-Con deixou muita coisa legal pra gente comentar, e o novo trailer de Esquadrão Suicida é uma delas. Depois de tantos vídeos, trailers e material exibido na campanha promocional do longa, quem achou que só restava ver o filme, errou. A DC exibiu durante a convenção um novo trailer recheado de cenas inéditas.

Arlequina continua sendo o grande destaque do longa, em todos os trailer ela aparece com frequência e já deixa os fãs morrendo de ansiedade pelo filme. Outras novidades são imagens de Magia, de quem pouco se falou, e dos monstros que nossos vilões irão enfrentar. 
 
Esquadrão Suicida estreia no dia 4 de agosto no Brasil, e a pré-venda de ingressos do filme já começou desde o dia 21 deste mês. Melhor correr pra assegurar seus ingressos. O Esquadrão Suicida se formou quando uma agência secreta do governo dos Estados Unidos reuniu os maiores vilões presos em uma cadeia especial para trabalhar para o governo lutando contra uma ameaça ainda maior.


Fonte: Cinema10

Festival de Gramado anuncia selecionados para sua 44ª edição

Evento acontece entre os dias 26 de agosto e 3 de setembro, na serra gaúcha


Festival de Cinema de Gramado anunciou nesta quarta-feira, 20 de julho, em entrevista coletiva, a programação completa da sua 44ª edição, que acontece entre os dias 26 de agosto e 3 de setembro, na cidade de Gramado, na serra gaúcha.  O encontro contou com a presença de representantes da Gramadotur, autarquia responsável pela realização do Festival, e dos curadores Eva Piwowarski, Marcos Santuario e Rubens Ewald Filho, além de autoridades.

A abertura do festival ficará a cargo de "Aquarius", de Kleber Mendonça Filho, que será exibido em sessão hour-concours. Também foi anunciado que a atriz Sonia Braga, que protagoniza o longa, será a homenageada do Troféu Oscarito, honraria oferecida pelo evento a grandes atores do cinema nacional. O ator Tony Ramos é outro a ser reverenciado este ano, recebebdo o Troféu Cidade de Gramado.

Na principal mostra competitiva de Gramado, seis longas-metragens brasileiros concorrem aos Kikitos: "Barata Ribeiro, 716", de Domingos Oliveira; "El Mate”, de Bruno Kott; "Elis” (SP), de Hugo Prata; “O Roubo da Taça”, de Caito Ortiz; “O Silêncio do Céu”, de Marco Dutra; e “Tamo Junto” (RJ), de Matheus Souza.

Clique aqui e veja a lista completa de filmes selecionados para todas as mostras da 44ª edição do Festival de Cinema de Gramado.

Fonte: ANCINE

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Comic-Con 2016: Veja o primeiro trailer de Mulher-Maravilha!


E o painel da Warner na Comic-Con começou com tudo, já lançando o aguardado trailer de Mulher-Maravilha! Dirigido por Patty Jenkins, o longa estrelado por Gal GadotChris PineConnie Nielsen e Robin Wright estreia em 1º de junho do ano que vem.

Confira a sinopse oficial:
Antes de se tornar Mulher-Maravilha, ela era Diana, princesa das Amazonas, treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível. Criada em uma paradisíaca ilha afastada de tudo, Diana descobre por um piloto americano acidentado que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e, certa de que pode parar o conflito, decide deixar seu lar pela primeira vez. Travando uma guerra para acabar com todas guerras, Diana toma ciência do alcance de seus poderes e de sua verdadeira missão.

Fonte: AdoroCinema

Comic-Con 2016: Liberado o primeiro trailer de Liga da Justiça!




Flash (Ezra Miller), Superman (Henry Cavill), Cyborg (Ray Fisher), Mulher-Maravilha (Gal Gadot), Batman (Ben Affleck) e Aquaman (Jason Momoa). TODO MUNDO JUNTO E UNIFORMIZADO E INTERAGINDO E PRONTO PARA LUTAR E CHEGA LOGO NOVEMBRO DE 2017. A Liga da Justiça vem aí e o bicho vai pegar Steppenwolf não vai se criar.

Dirigido por Zack Snyder, Liga da Justiça estreia em 16 de novembro do ano que vem.
Fonte: AdoroCinema

Dicas para estimular crianças a ler mais

Como convencer os pequenos...


A largar joguinhos e a TV e abrir um livro
Estudos comprovam que a ler ajuda a desenvolver o cérebro, ter melhor desempenho acadêmico e até mesmo a criar uma sociedade mais igualitária. Estimular crianças a tomar gosto pelos livros é uma missão importante de pais e educadores.

O professor Júlio César Michelato, coordenador de português do ensino fundamental do colégio Objetivo, afirma que a leitura extraclasse gera resultados em sala de aula.  “Há uma diferença enorme na produção dos alunos que leem em relação aos que não costumam pegar em livros – os que leem têm uma bagagem maior, sabem reivindicar, argumentar com mais propriedade.”

Como convencer os pequenos a largar joguinhos e a TV para abrir um livro? Apesar da leitura ser uma atividade divertida e que pode ajudar adultos e crianças a criar laços afetivos, muitas vezes é difícil criar esse hábito. Por isso, reunimos algumas dicas de como estimular os pequenos (ou nem tanto) a ler mais. As férias escolares podem ser uma boa oportunidade para colocá-las em prática!

1. Seja exemplo
Ainda que seja um consenso dizer que é importante ler, 70% dos brasileiros adultos não leram nenhum livro em 2014, segundo uma pesquisa da Fecomercio-RJ. Como a leitura é um ato cultural, é importante que os adultos desenvolvam esse hábito para que a criança também aprenda a desenvolver. “A partir do momento que você está em casa engatinhando, você vê o seu pais lendo um jornal, um livro, uma revista, aquilo automaticamente passa a fazer parte da sua vida”, diz o Michelato.

2. Desligue a televisão
85% dos brasileiros gostam de assistir a televisão durante o tempo livre, enquanto só 28%  da população escolhe a leitura, segundo o estudo Retratos da Leitura no Brasil. O problema é que com o eletrodoméstico ligado fica difícil conseguir ler. “A TV desligada também gera um espaço vazio físico e psíquico para a leitura. Especialmente se o adulto também for ler naquele momento”, afirma a professora doutora Beth Cardozo do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária da PUC-SP.

3. Crie um momento de leitura
Use momentos em família para atualizar a leitura. Você com seus livros, as crianças com os delas e conversem sobre o tema. “Além de ser importante ser um exemplo, é bacana mostrar para a criança o que está lendo. Não que ela deva ler aquele livro, mas é interessante mostrar as opções que existem de leitura”, afirma a professora Samantha Ishikawa, do Colégio Santa Maria de São Paulo.
Dá até para pensar em uma espécie de clube do livro, em que vocês escolhem um título e compartilham as impressões depois. Não tenha medo de dizer que não gostou de um livro e as razões para isso. Assim, a criança pode compreender que existem diferentes tipos de obras e que é possível deixar uma obra de lado e começar outra.

4. Ofereça diferentes tipos de texto
Também é bom para oferecer diferentes tipos de texto. Apesar de gerar certa insegurança, não há problema em deixar que crianças leiam conteúdo destinado a diferentes faixas etárias. “Muitas vezes, pais estranham o interesse dos filhos em enciclopédias ou livros de receitas, mas são tipos de texto que podem gerar muito conhecimento para a criança”, afirma Samantha.

5. Respeite o gosto do leitor
Especialmente entre as crianças mais velhas, os pais podem ter preconceitos com os gostos literários dos filhos, que tendem a se interessar por um único gênero. Estimule a leitura desses títulos, mas tente oferecer também outras opções. Leitura demais não machuca. “O fundamental é ter contato com a leitura”, afirma a professora do Santa Maria. Na hora de oferecer novos títulos, é importante conhecer a criança. Observe-a, investigue seus interesses. Acertar na hora de indicar um livro pode garantir que o pequeno se apaixone pela leitura.

6. Incentive contato com os livros
É importante cultivar a relação com livros mesmo antes da alfabetização. Com crianças pequenas, é legal explorar a leitura de imagens ou deixar que o livro seja usado como um objeto para brincadeira. A escritora Lygia Bojunga gostava de contar que antes de aprender a ler brincava de casinha dentro dos livros, que usava como tijolos e paredes. “Isso é importante para criar intimidade com o objeto”, afirma Beth.
No entanto, é preciso tomar cuidado para não dramatizar, caso algum título fique avariado. “Ensine o respeito pelos livros, mas não os deixe encastelados. Não tem motivo para fazer drama por livros rasgados ou riscados”, diz Beth.

7. Vá com calma
Não tem necessidade de cobrar que a criança termine um livro por dia. Assim como os adultos, as crianças podem ler aos poucos. Outra preocupação é não forçar para que a criança leia tudo sozinha. É possível alternar a leitura para que seja um processo mais prazeroso, mas tome cuidado para evitar um tom professoral e não ficar bombardeando a criança de perguntas como “entendeu?”. Por vezes, a leitura é apenas um momento de deixar a criatividade rolar solta.

8. Frequente livrarias e bibliotecas
Procure frequentar a programação de livrarias, bibliotecas, bienais e feiras do livro da região. Em geral, é possível aproveitar a  programação relacionada a leitura, como encontros com autores, debates e cotações de histórias. Nas bibliotecas, também é possível começar a compreender obrigações e responsabilidades.

9. Monte um cantinho da leitura
Crie um ambiente confortável que estimule a leitura, no qual a criança tenha acesso aos livros sempre que quiser, com iluminação adequada. Podem ser títulos emprestados em bibliotecas ou um pequeno acervo próprio. O importante é estarem à mão para estimular a leitura.

10. Conheça o autor
Crianças fantasiam muito sobre quem é o autor dos livros. Quando descobrem mais sobre a vida dele, podem se interessar em ler sua obra. Se o pequeno gostou de algum livro, dá para investir em oferecer outros títulos do mesmo escritor. Outra sugestão é procurar blogs e canais de contato com os leitores que muitos autores mantêm. Eles, em geral, respondem mensagens e podem criar ainda mais interesse na leitura.

11. Estude a época retratada
Muitas vezes as crianças não entendem o porquê da leitura. Explorar a época em que o livro foi escrito ou o tempo que ela descreve pode gerar interesse. “Quanto mais informações você tiver sobre o livro, mais a criança fica interessada na historia” , afirma Samantha.

12. Alie com outras diversões
Associe a leitura a passeios. Se o livro fala de animais, que tal ir ao zoológico? Se ele fala do Universo, que tal ir ao planetário ou observar as estrelas do quintal? Filmes e peças de teatro também são bons métodos para gerar interesse nos livros em que foram baseados e vice versa. Textos teatrais também são opções bacanas. De leitura mais direta, agradam e podem ensinar muito.

13. Tablet não é só para joguinhos
Criar uma biblioteca virtual (seja no tablet ou no computador) também pode ser outra forma de estimular a leitura. Para algumas crianças, a leitura pode ser até mais rápida por conta das cores e luminosidade. “Mas o interessante é também não ficar só no digital. É bacana não ficar em uma única ferramenta”, diz Samantha.

14. Use a tecnologia a favor dos livros
Muitos sites de editoras (ou e-books mais incrementados) disponibilizam atividades lúdicas sobre os títulos. O que pode ampliar as atividades e o interesse pela leitura. O professor Julio Michelato também indica procurar canais do Youtube sobre literatura. “A linguagem jovem pode estimular outros a se interessar e ler mais”, afirma.

15. Não deixe se tornar uma obrigação
Se tudo isso for feito, não tem risco. Mas é importante tomar cuidado para não fazer que a leitura seja mais uma incumbência. Ler livros deve ser divertido para as crianças para que se torne um hábito para a vida toda.


domingo, 24 de julho de 2016

Star Trek: Sem Fronteiras ganha trailer final cheio de ação



Dia cheio de novidades para os trekkies (fãs de Jornada nas Estrelas)! Depois da confirmação de Chris Hemsworth em Star Trek 4, seu antecessor acaba de ganhar trailer final.

Foi divulgado mais um vídeo promocional de Star Trek: Sem Fronteiras, destacando os grandes perigos que a equipe da USS Enterprise vai enfrentar na nova aventura. Porém, parece que Kirk (Chris Pine), Spock (Zachary Quinto), Uhura (Zoe Saldana), Bones (Karl Urban) e companhia estão prontos para a batalha contra o misterioso Krall (Idris Elba).


Star Trek: Sem Fronteiras só chega aos cinemas brasileiros no dia 1º de setembro.


Fonte: AdoroCinema

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Dia do Escritor


O Dia do Escritor é comemorado dia 25 de Julho, no Brasil.

A data celebra as pessoas dedicadas às palavras escritas. Sejam nos textos científicos ou fictícios, os escritores precisam ter a grande habilidade de entreter os leitores e, para isso, é necessário um vasto conhecimento de vocabulários, da gramática e ortografia, além de uma boa dose de criatividade e conhecimentos gerais do mundo.

Origem do Dia Nacional do Escritor

A ideia de homenagear todos os escritores no dia 25 de Julho surgiu a partir do I Festival do Escritor Brasileiro, organizado na década de 60 pela União Brasileira de Escritores, sob a presidência de João Peregrino Júnior e Jorge Amado, um dos principais nomes da literatura nacional.

Frases para o Dia do Escritor

"Escrever é estar no extremo de si mesmo" (João Cabral de Melo Neto)
"Comemorando a solidão diante da palavra, a verdade, o medo, a alegria, o amor indizíveis de só saber escrever"

“Escritor: não somente uma certa maneira especial de ver as coisas, senão também uma impossibilidade de as ver de qualquer outra maneira.” (Carlos Drummond de Andrade)

“Quando os escritores morrem, eles se transformam nos seus livros. O que, pensando bem, não deixa de ser uma forma interessante de reencarnação.” (Jorge Luis Borges)

“O mais belo triunfo do escritor é fazer pensar os que podem pensar.” (Eugène Delacroix)


Fonte: Calendarr

Thor 3 será um dos maiores filmes da Marvel, diz diretor

O longa estrelado por Chris Hemsworth e Mark Ruffalo promete ter um clima diferente das outras produções do estúdio.

Thor 3 já começou a ser filmado e já há muitos rumores circulando por ai. O que de fato será o filme? Um "filme de amigos intergalático" (também chamado de "buddy movie") entre Thor (Chris Hemsworth) e Hulk (Mark Ruffalo)? Um conflito entre Bruce Banner e Hulk? A tomada do martelo do deus do Trovão por Hela (Cate Blanchett) e Loki (Tom Hiddleston)?


Tudo isso e nada disso. Possivelmente. O diretor Taika Waititi afirmou que Thor: Ragnarok será o "filme da Marvel mais diferente até agora". Em entrevista ao Polygon (via GeekTyrant), o cineasta comentou que a trama da história tem mudado desde que eles começaram a filmar na Austrália, em 4 de julho:

"É difícil dizer o que o filme é porque está mudando. A trama mudou e o roteiro também. Tem elementos de 'companheiros' entre Thor e Hulk, mas quem sabe como ficará a versão final."

Waititi também explicou que o relacionamento dos personagens vem muito da relação entre os membros do elenco: "Se os meus atores não estão se divertindo no set, então eu estou fazendo algo errado. Precisa ter uma química entre os personagens na tela, e isso vem de ter química no set. Estamos fazendo filmes. Deveríamos estar nos divertindo muito".


Como, então, definir o novo longa do deus do Trovão?

"Este filme realmente celebra esse grupo de desajustados que estão fugindo. Havia algo empolgante sobre isso e eu queria que meu filme fosse empolgante e divertido. Observar todo mundo correndo solto na tela e se divertindo é o que eu queria fazer para chegar nele."

Waititi também afirmou que se sente como um convidado no Universo Cinematográfico da Marvel, mas, ainda assim, tem a liberdade criativa de fazer o que quer. E continuou: 


"Acho que este é o filme da Marvel mais diferente até agora e um dos maiores."
Ousada essa declaração, não?


Só saberemos com certeza em 2 de novembro de 2017, quando Thor 3 chega aos cinemas.

Fonte: AdoroCinema

quinta-feira, 21 de julho de 2016

No Brasil, ler é coisa que se faz por obrigação


Há tempos, assisti a um comercial de TV sobre um produto esportivo, talvez um tênis, cujo mote era a necessidade de “liberar o corpo”.

O anúncio falava de pessoas “reprimidas”, que seriam mais felizes se vivessem ao ar livre usando o produto.

Entre estas, mostrava uma moça sentada, lendo um livro, dentro de uma biblioteca – o Real Gabinete Português de Leitura, no centro do Rio. Mensagem subliminar: a leitura é uma chatice, uma obrigação, o contrário de ser livre e feliz.

Uma pesquisa recente do Instituto Pró-Livro e do Ibope, “Retratos da Leitura no Brasil”, citada pelo colunista Antônio Gois, do “Globo”, traz dados alarmantes: 44% da população brasileira não têm o hábito de ler livros, e esse número não se alterou nos últimos 12 anos. Apenas 33% dos brasileiros tiveram a influência de alguém para adquirir o gosto pela leitura, quase sempre a mãe – o que não é um mal, mas por que não citar igualmente um professor?

Porque, diz a pesquisa, os professores também leem pouco e mal. Embora 84% tenham dito que leram um livro nos três meses anteriores à pesquisa, a maioria não se lembra do título ou não respondeu, e, quando se lembra, o mais citado é a Bíblia. Sim, não podemos nos esquecer dos seus baixos salários, que os impedem de comprar livros. Mas não é para isto que existem as bibliotecas?

Não no Brasil. Segundo a pesquisa, 75% dos entrevistados associam a biblioteca a um lugar para estudar ou pesquisar (naturalmente, por obrigação), não como um espaço de lazer, para ler por prazer, trocar livros ou fazer amigos. Em 2015, apenas 53% das escolas brasileiras tinham biblioteca ou sala de leitura.

Quanto ao Real Gabinete Português de Leitura, um monumento carioca, sua beleza faz dele um cenário requisitado pelos comerciais de TV. Até para veicular mensagens que o degradam e ofendem.


Rumor: Batwoman, Oráculo e Constantine podem aparecer nas séries de heróis da CW

Até o Batman pode entrar nessa "brincadeira"...

A semana da Comic-Con 2016 chegou e todos querem saber quais são as novidades que as séries de heróis da CW vão revelar na convenção. Enquanto isso, o BleedingCool soltou alguns rumores sobre o pode vir por aí no universo televisivo da DC!

Boa parte das notícias surgem ao redor da novata da CW: Supergirl. Segundo o site, a emissora norte-americana vai trazer Batwoman e Barbara Gordon/Oráculo como personagens recorrentes da série. A primeira será ex-namorada de Maggie Sawyer (Floriana Lima), nova personagem regular da atração, enquanto a outra deve desenvolver uma forte amizade com Kara (Melissa Benoist).

Ao mesmo tempo, fontes indicam que a CW está tentando negociar a presença de Batman em suas séries. No momento, os direitos do personagem nas telinhas estão sob o controle da FOX, por causa de Gotham.

Por fim, rumores apontam que John Wesley Shipp (Henry Allen/Jay Garrick em The Flash) e  Matt Ryan (intérprete de John Constantine) estão negociando contratos para transitar pelas séries da DC Comics - assim como já aconteceu com John Barrowman e Wentworth Miller.

No caso de Matt Ryan, este acordo também vai servir para testar o público órfão de Constantine. Caso o resultado seja favorável, o plano da emissora é retomar o show cancelado pela NBC e colocá-lo em sua programação às sextas-feiras.

Será verdade? Será boato? Só resta esperar para ver.. Os painéis de SupergirlLegends of Tomorrow, The Flash e Arrow na Comic-Con 2016 acontecem no sábado, dia 23.

Fonte: AdoroCinema

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Sete Homens e Um Destino: Faroeste estrelado por Denzel Washington e Chris Pratt tem novos trailers





Buscando justiça, mas aceitando vingança, Emma Cullen (Haley Bennett) pede auxílio a Sam Chisolm (Denzel Washington), que aceita o desafio e reúne especialistas para a execução do tal trabalho impossível.
Conheça os Sete Homens e um Destino no novo trailer do filme de Antoine Fuqua. Com estreia marcada para 22 de setembro, o faroeste ganhou também mais um cartaz.

Fonte: AdoroCinema

terça-feira, 19 de julho de 2016

Para escrever melhor, é preciso ler melhor. O que isso significa?

Pesquisadores descobrem que leituras mais complexas produzem escritores melhores. 


Mas 'escrever bem' é um conceito subjetivo 

“Leia e escreva mais” costuma ser o conselho base para aqueles que questionam qual a melhor estratégia para aperfeiçoar a habilidade de escrever. O senso comum diz até que não importa o que um jovem estudante leia, contanto que ele esteja lendo, já que isso seria fundamental para consolidar o hábito de leitura.

Em maio de 2016, pesquisadores da área de negócios e administração de várias universidades norte-americanas resolveram investigar os hábitos de leitura de estudantes universitários e compará-los à qualidade dos textos desses estudantes.

O estudo foi publicado pelo “International Journal of Business Administration” e identificou que a leitura é um fator mais importante na determinação de uma escrita de melhor qualidade do que os exercícios de redação, por exemplo: os materiais considerados “melhores” eram sempre produzidos pelos alunos que liam diários e publicações acadêmicas, ficção literária ou não-ficção.

Depois deles, vinham os estudantes que liam ficção, fantasia e mistério. Por último, o estudo concluiu, ficaram os jovens alunos cujos hábitos de leitura se limitavam a conteúdo leve, produzido para a web, como o de sites como Buzzfeed, Reddit e Tumblr.

As descobertas ecoam as recomendações da escritora Susan Reynolds, autora do livro “Fire Up Your Writing Brain: How to Use Proven Neuroscience to Become a More Creative, Productive, and Successful Writer” (“Acenda seu cérebro de escrita: como usar neurosciência comprovada para se tornar um escritor mais criativo, bem-sucedido e produtivo”), lançado em 2015.

Em seus artigos e no livro, ela costuma recomendar o que chama de “deep reading”, “leitura profunda”, para quem deseja escrever “melhor”. Reynolds se refere, segundo ela, a textos que exijam leitura lenta, imersiva, que sejam ricos em detalhes sensoriais, complexidade emocional e moral.

O que é escrever melhor?
O estudo atribuiu classificações mais altas de qualidade para textos de acordo com a complexidade da frases. Frases com sintática mais sofisticadas foram observadas entre os leitores de textos acadêmicos, não-ficção e ficção literária, e portanto, esses foram considerados os melhores escritores.

Essa definição, no entanto, não dá conta da subjetividade contida em avaliar uma boa escrita. Talvez se aplique a textos destinados à produção acadêmica; mas a definição de ‘escrever bem’, geralmente, varia de acordo com o público alvo do texto e o propósito dele.

Professores de língua portuguesa do ensino fundamental defenderiam que “escrever bem” é conseguir compôr textos usando todos os elementos da norma culta; mas esse critério tiraria da lista de bons escritores José Saramago, por exemplo. O mais proeminente escritor contemporâneo em língua portuguesa tem livros inteiros sem vírgula ou ponto final, por exemplo.

“A qualidade do que é ‘bom’ em literatura, como em qualquer arte, jamais pode ser colocada em termos absolutos. Agora, sobre ‘escrever bem’, é possível avaliar objetivamente se um texto não tem erros de gramática, ortografia e estilo. Ainda assim, um livro pode ser bem escrito e ser uma obra absolutamente irrelevante”, reflete o escritor João Paulo Cuenca, que tem cinco livros publicados e é colunista do jornal “Folha de S. Paulo”.

Na técnica jornalística, costuma-se avaliar que “escrever bem” está relacionado com a habilidade de redigir frases curtas, diretas, claras, com vocabulário preciso, mas nunca desnecessariamente sofisticado.

O escritor norte-americano Mark Twain, autor de “As Aventuras de Tom Sawyer”, é considerado um dos maiores escritores de língua inglesa de todos os tempos. Ele é conhecido pelos inúmeros conselhos e dicas sobre escrita, compilados a partir de cartas em resposta a admiradores, fãs e leitores.

As orientações são levadas em conta até hoje por entusiastas da escrita em língua inglesa. Mark geralmente destacava que, para escrever bem, era necessário “matar os adjetivos”. “Escreva ‘pra caralho’ todas as vezes que você estiver inclinado a escrever ‘muito’; assim, seu editor vai deletar o termo e sua escrita vai ficar ótima”, diz uma famosa recomendação bem humorada creditada a ele.

“Eu notei que você usa linguagem simples e direta, palavras curtas e frases breves. É assim que se deve escrever em inglês - é a maneira moderna e a melhor maneira. Continue assim; não deixe as firulas, enfeites e verborragia se aproximarem. Quando der de cara com um adjetivo, mate-o. Não, não quero dizer completamente, mas mate a maioria deles - e aí os que sobrarem serão valiosos. Eles se enfraquecem quando estão próximos. Ganham força quando estão distantes. Quando o hábito de usar adjetivos, ou de ser ‘palavroso’, difuso, cheio de firulas, domina a pessoa, é difícil de abandonar como qualquer outro vício.”

Mark Twain

Em carta a um estudante em 1880

A conclusão: não há dúvidas de que ler mais e melhor contribua para fazer um leitor se tornar um escritor mais completo. Escolher a ‘melhor’ leitura para um aspirante a escritor, no entanto, é uma tarefa mais subjetiva. Depende do tipo de escritor no qual ele quer transformar-se.


Dicas para começar bem na era da autopublicação

O trabalho dos escritores pode parecer um tanto místico


Sobretudo no caso dos grandes mestres da literatura e suas obras surpreendentes. Talento e genialidade são características invejáveis em qualquer área do conhecimento, mas hoje sabemos que não têm muito valor se não estiverem aliadas à dedicação e à persistência na busca por um objetivo concreto. Essa é a deixa para os meros mortais esforçados.

Para escrever um livro é necessário mais do que ter uma boa ideia, sentar-se e escrever o que vier à mente. É preciso ter conhecimento amplo da língua e das formas de utilizá-la para levar o leitor a sentir exatamente aquilo que a história, ambientes e personagens têm por objetivo transmitir. Esse tipo de conhecimento é adquirido, em parte, com a leitura dos clássicos e dos autores renomados nos diversos segmentos da literatura. Contudo, podemos ir direto ao ponto por meio de obras direcionadas àqueles que desejam estrear na arte literária.

Uma ótima opção para quem está começando chama-se “Como melhorar um texto literário”, de Lola Sabarich e Felipe Dintel, escritores e professores espanhóis. Eles buscaram compor um manual prático sobre técnicas de narração. O livro é básico, mas é capaz de abrir a cabeça de escritores iniciantes para questões que podem passar despercebidas. Uma coisa é certa: após a leitura, adquire-se também um cacoete de crítico literário.

Confira algumas dicas de escrita dos autores sobre alguns dos aspectos abordados no livro, referentes à criação literária de qualidade:

1. A diferença entre dizer e mostrar − Caso o autor queira dar a conhecer que um personagem está triste, há duas possibilidades. Uma delas é apresentar o dado diretamente: “Fulano está triste” (simplesmente dizer). Outra forma seria: “Fulano chora o tempo todo” (tentar mostrar). Lola Sabarich e Felipe Dintel destacam que “os textos literários em que prevalece a estratégia de mostrar obtêm resultados mais estimulantes para o leitor, que terá de exercitar a imaginação e sua capacidade dedutiva, à medida que vai reconstruindo o mundo que o autor lhe apresenta. A leitura se converte, portanto, num ato criativo” (pág. 12).

2. A construção de cenas − Segundo os autores, a construção de uma cena depende de três fatores: moldura (elementos fixos do cenário, como objetos, elementos da natureza etc); atmosfera (elementos variáveis, como a luz, sons e a temperatura); e ação (tudo o que ocorre no cenário, desde movimentos até diálogos e pensamentos). “A menos que o autor pretenda, conscientemente, eliminar algum deles, deverá levá-los em conta toda vez que for construir uma cena” (pág. 27).

3. A criação de expectativas − “É indispensável que o escritor maneje as informações de modo que o leitor progrida na história fazendo perguntas e encontrando respostas, elucidando questões e tropeçando em novos enigmas. Temos aqui uma regra de ouro válida para qualquer relato, pertença ou não ao gênero de suspense” (pág. 47).

4. O tempo narrativo − Os autores falam sobre a importância de se conhecer as diferentes formas de tratar o tempo em um relato, seja alterando a ordem cronológica dos fatos ou trabalhando com o tempo psicológico dos personagens. “Uma hora de espera ou de sofrimento pode parecer uma eternidade, três dias de felicidade podem passar num piscar de olhos, e seis anos podem ficar reduzidos à lembrança de algumas breves cenas: o tempo com frequência perde a sua dimensão real e adquire outra, por força da nossa subjetividade” (pág. 59).

5. A caracterização de personagens − É preciso que o autor conheça seus personagens por completo, até mesmo, muito além do que conta sobre eles na história. “Deve conhecer sua biografia completa e todas as suas intimidades, inclusive aquelas de que os próprios personagens não têm consciência. Somente assim, conhecendo profundamente seus personagens é que conseguirá o autor fazer com que atuem com naturalidade e coerência” (pág.78).

Todos os temas tratados trazem como exemplos textos nos quais é possível fazer a relação entre o que é recomendado e o que se deve evitar em composições literárias de diferentes estilos.

Em uma época na qual a autopublicação tem se tornado cada vez mais acessível, investir em conhecimento e repertório se tornou um diferencial importante para quem tem o sonho de atuar profissionalmente no mundo da literatura. É triste quando pegamos um livro com uma ótima história (ou ao menos com potencial) e com o texto e a narrativa deficientes.

O livro aqui apresentado é apenas um entre incontáveis títulos sobre aperfeiçoamento da narrativa. Os aspirantes a escritores que possuem facilidade de aprendizado podem e devem se beneficiar dos materiais disponíveis nas livrarias e na própria internet. Afinal, como todos já ouvimos falar, a receita para o sucesso é 1% inspiração e 99% transpiração.