Pesquisar este blog

domingo, 21 de maio de 2017

Mulher-Maravilha ganha novo trailer internacional cheio de cenas inéditas

Filme estreia no próximo mês

Mulher-Maravilha ganhou um novo trailer internacional com várias cenas inéditas, incluindo o que parecem ser imagens do vilão Ares (via Bleeding Cool):

Mulher-Maravilha tem estreia marcada para 1º de junho, com Gal Gadot e Chris Pine no elenco. Nós visitamos a ilha de edição do filme com Patty Jenkins, onde vimos trechos do filme e conversamos com a diretora - saiba como foi. Por enquanto a Warner não confirmou uma sequência para a produção, mas a heroína vai aparecer novamente em Liga da Justiça.
Fonte: Omelete

sábado, 20 de maio de 2017

Mangá ‘Akira’ ganhará nova edição brasileira adaptada do original japonês


Trita e cinco anos depois de ser lançado no Japão, o mangá “Akira” ganhará uma nova edição no Brasil

Onde foi publicado pela primeira vez nos anos 1990 pela Editora Globo.

A ficção distópica de Katsuhiro Otomo será reeditada pela JBC no formato original japonês, com leitura da direita para a esquerda e desenhos em preto-e-branco, além de tradução direta do idioma original.

O primeiro dos seis volumes, que terão formato um pouco maior do que o dos quadrinhos americanos e cerca de 350 páginas por edição, está programado para sair na primeira semana de junho.

O preço vai girar em torno de R$ 70, por volume.

Lançado originalmente em 1982, “Akira” propõe um futuro distópico não muito distante de onde estamos hoje. Nas primeiras páginas, uma explosão atômica destrói Tóquio. Trinta e oito anos depois, uma nova capital, Neo-Tóquio, se ergue dos entulhos, com a população à mercê de gangues de motociclistas e facções anti-governo consideradas terroristas. O país planeja fazer as Olimpíadas no local onde caiu a bomba. Uma nova geração também ganha vida, com capacidade de gerar energia usando poderes da mente — com consequências terríveis.

Kaneda e Tetsuo, que fazem parte de uma gangue, são envolvidos em uma trama que esconde o desenvolvimento de um projeto para potencializar os poderes extrassensoriais das pessoas. Em seus passeios por Neo-Tóquio, os amigos topam com o Número 26, uma criança que é produto dessas experiências, e Tetsuo acaba sendo ferido e desaparece.

Segundo Cassius Medauar, editor-chefe da JBC, a versão brasileira terá uma periodicidade semestral:

— Quando o Otomo aprovou o relançamento, ele disse que queria que fosse relançado do jeito dele. Então, todo o material foi digitalizado e retocado.
É um processo que demora muito tempo. E os japoneses são muito exigentes, querem aprovação para tudo. Por isso, estamos prevendo uma demora nos lançamentos —disse ele.

A EDIÇÃO BRASILEIRA

A primeira edição de “Akira” começou a ser publicada no Brasil em dezembro de 1990. A Editora Globo baseava-se na versão americana da Epic Comics, selo alternativo da Marvel, completamente ocidentalizada, com inversão do sentido original de leitura, colorização dos desenhos e a tradução de um elemento fundamental dos mangás, as onomatopeias.

Em setembro de 1993, a publicação das revistas, que vinham sendo lançadas todos os meses regularmente, sofreu uma interrupção no número 33. E só seriam retomadas em dezembro de 1997, quando foi lançado o número 34, e encerradas com a publicação do número 38, em abril de 1998.

Com o sucesso da versão em longa-metragem de animação de “Akira” e dos brinquedos e outros produtos no Japão, a produção de quadrinhos passou a ter atrasos, chegando ao ponto de os americanos não terem mais material trabalhar e, por consequência o Brasil, já que tudo vinha de lá. A Marvel decidiu, então, interromper a publicação e retomá-la só quando a série tivesse terminado.


quinta-feira, 18 de maio de 2017

Livros de ficção que previram o futuro

Existem muitos livros de ficção inspirados em pessoas ou fatos reais.
No entanto, também há casos em que a própria ficção inspira a realidade.
Afinal, algumas situações descritas em obras da literatura acabaram se tornando verdadeiras.

Simples coincidências, ou mostras da genialidade de autores, as “previsões do futuro” presentes nos livros são surpreendentes — e, em alguns casos, até deixam dúvidas sobre a existência de premonição.

A seleção foi realizada por meio de recortes de listas já existentes, disponíveis em sites e revistas.

Ela inclui fatos descritos em obras clássicas como “Frankenstein”, de Mary Shelley; “Fausto”, de Goethe; e “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley.

No entanto, também há previsões mais recentes, de títulos como “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, de Douglas Adams; e “A Guerra dos Mundos”, de H. G. Wells.

O Presidente Negro — Monteiro Lobato
“O Presidente Negro” foi o único romance adulto de Monteiro Lobato. Publicado em 1926, o enredo é centrado em Ayrton Lobo, um cobrador que sofre um acidente e é resgatado pelo professor Benson. O professor apresenta ao homem a sua invenção: uma máquina do tempo. O equipamento é destruído antes que Ayrton tivesse a chance de se transportar no tempo. Porém, com a narração da filha de Benson, Miss Jane, Ayrton conhece os detalhes da campanha presidencial dos Estados Unidos de 2228. Nela, um candidato negro derrota dois adversários, uma mulher e um branco conservador, e é eleito. Situação parecida com as eleições americanas de 2008, na qual Barack Obama venceu Hillary Clinton na disputa pela candidatura pelo partido democrata, e, posteriormente, derrubou o republicano John McCain nas urnas.

Fahrenheit 451 — Ray Bradbury
A televisão colorida foi lançada nos Estados Unidos em 1950. Apenas três anos depois, Ray Bradbury publicou o livro “Fahrenheit 451”, que tem como cenário os Estados Unidos dos anos 1990, época em que a sociedade é anti-intelectual e as pessoas estão proibidas de ler livros. Curiosamente, o sonho dos personagens é adquirir a própria televisão de parede, que permite uma espécie de imersão nas transmissões, tecnologia parecida com as projeções 3D da atualidade.

Neuromancer — William Gibson
O livro “Neuromancer”, do escritor William Gibson foi lançado em 1984, época em que a internet acabara de nascer, mas na qual a World Wide Web ainda não existia. Mesmo assim, a obra de ficção científica trata de temas como inteligência artificial, ciberespaço e roubo de dados. O protagonista da história é Case, um ex-hacker — ou cowboy, como é chamado pelo autor — que foi afastado do trabalho depois de tentar roubar seus patrões. Os chefes envenenam Case com uma toxina, que danifica seu cérebro e o impede de se conectar à Matrix.

1984 — George Orwell
O livro “1984”, escrito pelo romancista, ensaísta e jornalista George Orwell, em 1948, é um romance distópico, traduzido para 65 idiomas. O enredo antecipou o surgimento da vigilância em massa, promovida na ficção por um dos personagens centrais: o Big Brother. Tornando-se praticamente uma entidade, o Grande Irmão observa tudo e todos com a ajuda das teletelas, espalhadas nos lugares públicos e nos lares.

Admirável Mundo Novo — Aldous Huxley
“Admirável Mundo Novo”, lançado em 1932, é considerado um romance perturbador. Ele narra um futuro alternativo, no qual as pessoas são pré-condicionadas biologicamente e condicionadas psicologicamente a viverem em harmonia, mantendo a ordem e a moral, em uma sociedade organizada por castas. Apesar de abordar a manipulação biológica, apenas 40 anos mais tardes as primeiras manipulações genéticas começaram a surgir.

Fausto, Goethe 
Embora os discursos ambientais tenham ganhado força principalmente nos anos 2000, a destruição da natureza em nome do desenvolvimento já havia sido abordada em 1829, na segunda parte do livro “Fausto”, de Goethe. O poema trágico, escrito em forma de uma peça de teatro, é considerado a abra prima do autor.

O Guia do Mochileiro das Galáxias, Douglas Adams
“O Guia do Mochileiro das Galáxias”, lançado por Douglas Adams em 1980, menciona o uso de uma tecnologia que surgiu apenas recentemente: a tradução automática de voz. A trama foi construída originalmente para uma série de rádio da BBC, e foi inspirada em um sonho de Douglas Adams durante uma viagem pela Áustria, quando o escritor estava chateado por não conseguir se comunicar com os moradores locais.

Frankenstein, Mary Shelley
Um clássico da ficção científica, o “Frankenstein”, de Mary Shelley foi adaptado inúmeras vezes para o cinema e a TV. A obra narra a criação de uma criatura a partir de tecido morto de outras pessoas. Apenas décadas depois, as evoluções no campo da medicina possibilitaram o transplantes de peles e órgãos. O que em 1818, quando Frankenstein foi lançado, parecia improvável.

A Cidade e as Estrelas, Arthur C. Clarke
Arthur C. Clarke lançou em 1956 o livro “A Cidade e as Estrelas”, que menciona a realidade virtual. No entanto, o primeiro simulador com o uso da tecnologia foi criado dez anos mais tarde, em 1966. A trama se passava bilhões de anos no futuro, época em que os oceanos foram extintos e a humanidade decidiu abandonar a Terra.

A Guerra dos Mundos, H. G. Wells
Outra previsão tecnológica da literatura de ficção científica foi publicada por H. G. Wells, na obra “A Guerra dos Mundos”. Embora tenha sido lançado em 1903, o livro já considerava a existência de tanques de guerra, que só foram inventados 13 anos mais tarde. A história centra-se na invasão do planeta por ETs inteligentes, que contam com uma arma mortal carbonizadora e máquinas assassinas.


Crise no cinema americano? Especialistas preveem bilheteria em baixa para grandes produções em 2017

Seria o cansaço das franquias? A competição com as séries?



Diante das bilheterias expressivas de A Bela e a FeraGuardiões da Galáxia Vol. 2 e Velozes & Furiosos 8, o mercado de cinema norte-americano parece caminhar para um sucesso garantido em 2017.
No entanto, o site The Hollywood Reporter fornece um quadro menos otimista da indústria. Grandes produções como as citadas acima de fato registraram números excelentes, e outras que virão - Mulher-MaravilhaHomem-Aranha: De Volta ao LarLiga da Justiça - devem seguir o mesmo caminho.
No entanto, os anos anteriores também tiveram diversos blockbusters bem-sucedidos, e 2017 não parece ter filmes suficientes para competir com os números de 2014, 2015 e 2016. De acordo com produtores dos grandes estúdios, este ano pode registrar queda de até 10% no faturamento em Hollywood.
Isso ocorre porque alguns filmes caríssimos têm despertado menos atenção do que se imaginava: Rei Arthur - A Lenda da Espada custou impressionantes US$175 milhões, mas pode arrecadar menos de US$30 milhões na estreia, de acordo com as previsões de pré-estreias e baseada na popularidade nas redes sociais.
Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar, Alien: Covenant e Transformers: O Último Cavaleiro devem ter resultados sólidos, mas sem garantias de atingir o sucesso de seus antecessores. Baywatch e A Múmia permanecem incógnitas no mercado por suas abordagens diferentes das marcas originais, sem falar nas novas empreitadas de A Torre Negra, It - A Coisa, Dunkirk e Em Ritmo de Fuga.
O motivo para a possível queda seria, de acordo com o estudo, o cansaço do público com as franquias. Em média, um blockbuster tem estreado a cada duas semanas entre abril e setembro. Outra possibilidade seria a concorrência com as séries: Stranger Things e Game of Thrones são programas mais procurados na Internet do que a maioria dos filmes citados anteriormente.
Além disso, nenhuma grande produção está agendada para o mês de agosto, que tem sido uma época importante para a arrecadação na indústria americana. "Existem muitos desafios. Os lançamentos estão saindo dos cinemas mais rápido", admite a presidenta de marketing da Paramount, Megan Colligan. "A audiência está muito mais fragmentada hoje", concorda Jeff Goldstein, diretor de distribuição da Warner Bros. 
Ou seja, o mercado está crescendo tanto, e tão rápido, que uma hora fica difícil sustentar o crescimento, e alguns fracassos são inevitáveis. Jeff Bock, analista da indústria do cinema, resume a situação: "Nós vimos o que aconteceu com o fracasso das sequências no ano passado. Se isso acontecer de novo, os estúdios serão obrigados a adotar mudanças drásticas", conclui.
Fonte: AdoroCinema

sábado, 13 de maio de 2017

Boas-Vindas, Bebê - do Nascimento Aos Três Meses de Idade - Vol. 1


A obra é dividida em três volumes. O primeiro é dedicado aos três primeiros meses, considerados os mais desafiadores. Com uma linguagem simples e clara, a Dra. Ana Escobar tira dúvidas e dá dicas para mães, pais e avós não se perderem em um emaranhado de palpites e possam tomar decisões com mais segurança e serenidade.
Boas-vindas, bebê 1 aborda questões que aparecem logo após o parto: o papel dos pediatras neonatologistas, os exames e vacinas que devem ser providenciados ainda na maternidade e até a melhor maneira de organizar as visitas.
Os primeiros dias do bebê em casa também recebem atenção especial: a organização do quarto, o banho, as trocas de fraldas, os cuidados com o umbigo, a higiene oral e o que fazer em caso de assaduras, entre outros. A autora dedicou um capítulo inteiro à amamentação, com informações valiosas para um aleitamento tranquilo, além de uma série de perguntas e respostas para esclarecer as questões mais frequentes entre as mães.
O guia trata detalhadamente de temas como o crescimento, o desenvolvimento físico e psicológico, sono, os tipos de choro, o uso da chupeta, os problemas mais comuns e sinais de alerta. De acordo com a Dra. Ana, Boas-vindas, bebê 1 “tem a missão de descomplicar o dia a dia e acalmar a ansiedade que o primeiro chorinho do bebê desperta”.


É uma excelente rápida leitura para os pais e mães de primeira viagem. Eu mesmo comprovei na prática as dicas desse manual de como lidar com os primeiros três meses. Ótima leitura! Vale a pena conferir Boas-Vindas, Bebê - do Nascimento Aos Três Meses de Idade - Vol. 1, da Dra Ana Escobar.